CCTG_sao_joao-01.jpg

Festa de São João

OPERETA DE COSTUMES BRASILEIROS

Música e Libreto de Chiquinha Gonzaga

 
Festa de São João - Chiquinha Gonzaga (Estreia Mundial)

Festa de São João - Chiquinha Gonzaga (Estreia Mundial)

Reproduzir vídeo
 

Festa de São João

NOTAS DE PROGRAMA

Em 2017 festejamos os 170 anos de nascimento da grande Francisca Gonzaga, apresentamos a estreia mundial de sua primeira peça para cena, adormecida há exatos 138 anos.


Festa de São João, opereta de um ato e dois quadros, subintitulado pela própria compositora como peça de costumes campestres, é uma doce narrativa bucólica que ainda pode ser atual pelo Brasil a dentro. Conta a história de amor entre a simples Rosinha e o dândi da grande cidade Luiz, sob as bençãos do pároco local, no animado dia de São João, sucedido por noite de grande tempestade.


Chiquinha Gonzaga escreveu o libreto em 1879, aos 32 anos, autodidata, já divorciada por processo eclesiástico e dando aulas de piano para o sustento dos três filhos. Os números musicais foram completos em 1884, onde permaneceram os originais adormecidos no depósito da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais até a restauração promovida pelo Instituto Moreira Sales, através das mãos hábeis de Wandrei Braga, Alexandre Dias e Douglas Passoni. O libreto foi restaurado por este que subscreve, tentado a levá-lo em cena dentro deste Festival de Ópera do Paraná.


Os motivos desta opereta ter permanecido longe dos palcos e da literatura especializada parece-nos muito clara. Transgressora, feminista, abolicionista, anticlerical, republicana, Chiquinha não teve pronto aceite dos produtores teatrais da época para porem em cena o simpático libreto. Já era conhecida, pois desde 1877 publicara a polca Atraente, composta de improviso numa roda boêmia, sendo rapidamente entoada por meninos escravos nas ruas do Rio de Janeiro, levando à ira da família que começa a persegui-la.


Em 1883 musicou grande parte da peça Viagem ao Parnaso, de Artur Azevedo (1855-1908), sendo por ele forçada a parar, pois “desconfiava ser um trabalho além das possibilidades de uma mulher”.


Retomou a composição desta Festa de São João, quando começa musicar a peça Corte na Roça do novato Palhares Ribeiro. Finalmente consegue levar a obra de Palhares à cena, em 17 de janeiro de 1885, com a empresa do Teatro Príncipe Imperial, na Praça Tiradentes (mais tarde Cine-Teatro São José, hoje demolido) mediante inúmeras dificuldades. O empresário havia fugido com o dinheiro da produção, os cantores estavam sem receber, o público não acreditava que uma mulher poderia compor e reger e a imprensa não sabia como chamá-la: maestro, maestra ou maestrina? Sob os aplausos efusivos os pedidos de bis não puderam ser atendidos, pois era o número final da obra um maxixe, dança censurada pela polícia, que a considerava malemolente, executada de cor pelos músicos.


Com Corte na Roça, Chiquinha passa a ser a primeira mulher a reger uma orquestra, a levar a cena e a dirigir um espetáculo no Brasil. Ascende ao reconhecimento do público mais humilde, de onde sempre se inspirou para compor, percorrendo rápida e brilhante carreira. Apenas quatro anos após ser a primeira maestrina, já estava regendo o concerto em homenagem a Carlos Gomes, na presença de toda corte, incluindo os Imperadores e príncipes imperiais.


Embora tenha permanecido inédita - dentre as 63 peças que Chiquinha Gonzaga musicou - Festa de São João pode ser considerada o primeiro libreto escrito por uma mulher no Brasil. A próxima a escrever foi a compositora, harpista e pianista Cinira Polônio (1857-1938), com a peça Nas Zonas, em 1913, com música de Paulino Sacramento (1880-1926).


Testemunho das tradições populares mais ricas e dos ritmos basilares de nosso canto nacional, esta opereta vem ajudar a compor os estudos para a reconstrução e compreensão da música brasileira, fazendo justiça ao pioneirismo desta grande  compositora e musicista brasileira.


Gehad Hajar

 

Ficha Técnica

Festa de São João

1879

Música e libreto de Chiquinha Gonzaga (1847-1935)



ESTREIA MUNDIAL

28 de outubro, as 20h e 22h

Auditório Salvador de Ferrante - Guairinha



Direção Geral, projeto e restauro de libreto: Gehad Ismail Hajar

Regência: Jean Reis (São Paulo)

Direção de Coro: Silvany de Melo 

Regência de Coro: Jomar Lucio de Lima

Preparação vocal de coro: Marilia Teixeira

Coreografia e assistência de direção: Lia Comandulli 




Solistas: 

Rosinha - Marietta Pirágine (São Paulo)

Luiz - Jomar Lucio de Lima

Joaozinho das Moças - Luiz Felipe Stellfeld Monteiro

Cura - Emilio Pitta



Concepção e Direção do projeto de restauração de partituras: Alexandre Dias (Brasília) e Wandrei Braga (Brasília)

Editoração de Partituras: Douglas Passoni de Oliveira

Revisão de Partituras: Alexandre Dias (Brasília) 

Auxiliar de restauração de libreto: Eleassar Baldur Rose (Santa Catarina)

Iluminação: Judite Fiorese e Alexandre Dartagnan

Figurinos (a partir do acervo CCTG): Áldice Lopes e Raquel Stange

Cenário: Douglas Rangel


Arte: Gabriel Rischbieter 


CORO LÍRICO DE CURITIBA


Sopranos 1
Ana Lúcia Porcote
Dani Prim
Letícia Milla

Sopranos 2
Andressa Marques

Daiane Daneluz
Sil Mello

Mezzos/Contraltos
Edilange Xavier Alves

Lucinete Vieira
Pâmella Schmeguel
Silmara Campos

Tenores 1
Alexandre Pratas
Dimas Gustavo de Oliveira
Marcelo Castro

Tenores 2
Alysson Semfle
Daniel Martins
Jomar Lúcio de Lima

Barítonos
Dudu Martins
Louis Machado

Baixos
Gehad Hajar
João Theófilo Chagas Filho
Reginato Perini


Alunos do Curso Técnico em Dança da Escola de Dança do Teatro Guaíra


Emilly Ferreira da Costa, Fernanda Bento, Haudrey Martins Bittencourt, Heloísa Fiori, Hilda Bordinhão Barbosa, Letícia Gapski Lira, Lucas Santa Clara,Lucas da Silva Dias, Luciana Jacinto,Luíza Nishizaki, Poli Maia, Tharley Cândido, Thayanne Modena Maciel, Wagner Gadorin.



Coro Infantil da Escola Padre Pedro Fuss


Regente

Gabriel Hermes 

Coralistas

Carolina de Mello Antunes, Alana Ianuki Portilha, Ana Flavia Cardozo, Ana Luiza

Oliveira da Silva, Barabra Luiza Pereira dos Santos, David Guilherme Duarte

Campos Barra, Gabriel Bill, Giovana Otto,Jeferson Luis Fogaça Xavier, Jhenifer Raissa Wiedermann, Julielly Scheramme, Luana Pereira,Luciana Beatriz, Maria

Vitoria Castro, Maria Vitoria Salomão, Mariana Emanuele, Mariana Hannesch,

Mateus Hentique, Matheus Colaço Mirião Lino, Nayara Bonato, Nicolas

Wenzel,Nicole da Silva, Sabrina Borges, Thaylla Myrela,Victória Luiza.


Colaboradores 

Vitor Soel Silveira Antunes, Cintia Ferreira, Suelsi Maria Garcia, Maria Helena Muniz, Elton Jungle, Lenaldo Batista de Almeid



Maquiagem 

Paula Shirata
Nelci Tess